FANDOM


Maya Fey é a atual Mestre da Técnica de Endorcismo de Kurain e, subsequencialmente, líder do Clã Fey. Uma amiga próxima do famoso advogado de defesa Phoenix Wright, ela foi sua assistente pela maior parte de sua carreira entre os anos 2016 e 2019.

Informações Editar

Nomes em outras línguas: Mayoi Ayasato (japonês), Maya Fey (francês, alemão, espanhol, italiano e holandês)

Atrizes: Samantha Dakin e Abby Trott (inglês), Satomi Hanamura e Mirei Kiritani (japonês), Geneviève Doang (francês), Julia Casper (alemão), Mar Nicolás (espanhol), Emanuela Pacotto (italiano)

Infância e juventude Editar

Maya Fey nasceu em uma família prominente de médiuns espíritas e viveu na Aldeia Kurain, a casa da maioria da família Fey, a maior parte de sua vida. Seu pai morreu quando ela era criança.

Uma vez, Maya foi pega tentando juntar os pedaços da Urna Sagrada de Ami Fey com sua irmã Mia, depois que ambas quebraram-na. Uma foto do momento foi tirada e colocada no Talismã Kurain, que a mãe delas, Misty Fey, usava na época. Ela manteve o talismã até o dia de sua morte, para que suas filhas estivessem sempre próximas de seu coração.

Quando Maya tinha dois anos, sua mãe deixou a aldeia em vergonha por causa do Incidente DL-6. Sua irmã mais velha, Mia, assumiu o dever de descobrir o que acontecera com Misty e saiu da aldeia também; Maya foi deixada sob os cuidados de sua tia Morgan e do resto da vila. O outro motivo de Mia ter deixado a aldeia era para evitar a disputa com Maya pelo título de Mestre de Kurain, caso sua mãe fosse encontrada morta ou não aparecesse por 20 anos. Apesar de ter saído da aldeia, Mia manteve contato com sua irmã mais nova pelos anos seguintes, e Maya era até mesmo confiada para guardar evidências importantes para casos que Mia estivesse investigando. Maya foi avisada para chamar Marvin Grossberg, o velho chefe de Mia, caso ela precisasse de um advogado.

A morte de Mia Editar

Em 5 de setembro de 2016, às 9:27 da manhã, Maya recebeu um telefonema em seu celular de sua irmã, Mia, a respeito de uma evidência a ser guardada. No entanto, ao chegar no escritório de Mia, ela encontrou o corpo de sua irmã, e foi acusada de assassiná-la.

Phoenix Wright, que trabalhara como aprendiz de Mia, defendeu Maya na corte contra o promotor Miles Edgeworth. Entretanto, a príncipio, foi pedido que ele encontrasse Grossberg para defendê-la. O advogado veterano estava sendo chantageado pelo verdadeiro culpado pelo assassinato de Mia, então recusou o caso. O crime foi mais tarde culpado no próprio Wright. Ele quase foi condenado, mas Maya invocou o espírito de Mia em seu corpo, e ela ajudou Wright a provar que Redd White fora o verdadeiro assassino. Após o julgamento, ela se empregou como assistente de Wright no recém formado Escritório de Advocacia Wright & Cia.

Desde então, Maya passou a usar seus poderes psíquicos para invocar o espírito de Mia para ajudar Wright quando ele precisasse, embora seu poder fosse baixo no começo e ela só fosse capaz de endorcisar por pouco tempo.

Primeiros casos com Wright Editar

O primeiro caso de Wright com Maya envolvia o assassinato de Jack Hammer. Durante a investigação, Maya conheceu o diretor de O Samurai de Aço: Guerreiro de Neo Olde Tóquio, Sal Manella, que se inspirou nas roupas de Maya para criar o conceito de seu próximo programa de TV, A Princesa Rosa: Guerreira de Little Olde Tóquio. Seu endorcismo de Mia também permitiu que Wright conseguisse obter as informações necessárias de Cody Hackins.

O próximo caso de Wright tinha um grande envolvimento com o Incidente DL-6, que causara o desaparecimento da mãe de Maya e tinha alterado drasticamente a vida do filho da vítima e cliente de Wright, Miles Edgeworth. Maya, que não tinha treinado recentemente, estava perturbada por não conseguir contatar o espírito de Mia. Durante um depoimento aparentemente impossível, o promotor cruel Manfred von Karma tentou declarar a persistência de Wright na corte como um modo de gastar tempo, mas repentinamente Maya começou a questionar a testemunha, fazendo com que ela fosse presa no lugar de Wright e permitindo que ele encontrasse uma contradição de grande importância no depoimento da testemunha. Edgeworth mais tarde pagou para que Maya saísse da cadeia. Wright e Maya mais tarde visitaram outra testemunha, um velho alugador de barcos. Ele tinha um papagaio, e a interação de Maya com o pássaro revelou que o homem estava envolvido com o Incidente DL-6. No próximo dia, Wright e Maya confrontaram von Karma na sala de evidências do departamento de polícia; temendo o que aconteceria se Wright tivesse acesso a todas as informações sobre o DL-6, von Karma usou uma arma de choque em ambos. Entretanto, Maya conseguiu pegar um pedaço de evidência crucial: a bala atirada durante o Incidente DL-6. Essa prova permitiu que Wright implicasse von Karma como sendo o verdadeiro assassino no caso.

Maya se sentiu inútil para Wright sem suas habilidades de endorcismo, então ela foi pegar um trem de volta a Aldeia Kurain depois de lhe deixar um bilhete explicando suas ações. No entanto, Wright a alcançou antes que ela embarcasse no trem e insistiu que o caso teria sido perdido se não fosse por sua ajuda; afinal fora ela quem tinha conseguido a prova que possibilitou a prisão de von Karma. As palavras de Wright fizeram com que ela se sentisse melhor, mas mesmo assim ela decidiu voltar à

aldeia para treinar seus poderes. Ela prometeu retornar um dia.

Retorno da Aldeia Kurain Editar

Nick and Maya Detention

Maya se encontra presa novamente.

Outra acusação Editar

Seis meses mais tarde, o doutor Turner Grey visitou o escritório para pedir os serviços de Maya para invocar o espírito de Mimi Miney, uma enfermeira que supostamente morrera em um acidente de carro após um grande incidente na clínica de Grey. Wright concordou em levá-lo a Maya se ele pudesse acompanhá-lo até lá.

Em Kurain, eles encontraram Maya e ela e Grey se prepararam para o endorcismo com Morgan Fey. Entretanto, Morgan estava conspirando com Mimi Miney, que estava na verdade viva e posando como sua irmã Ini Miney, para matar Grey e armar para que Maya fosse culpada pelo assassinato. Isso impediria que o segredo de Mimi fosse exposto e possibilitaria que Pearl Fey, a filha de Morgan, tomasse o lugar de Maya como Mestre. Mimi deixou Maya inconsciente e a escondeu, e então matou Grey durante o endorcismo e se passou por Maya quando Wright invadiu a câmara. Morgan disse a ele para chamar a polícia, e com isso Maya se tornou a principal suspeita.

Na cadeia, Maya deu seu magatama a Wright e lhe disse que tivera um sonho durante o endorcismo. Pearl mais tarde energizou o magatama para permitir que Wright visse os segredos das pessoas na forma de Psique-Cadeados.

Sisters Reunited

As irmãs se reúnem.

Na corte, com a ajuda do espírito de Mia invocado por Pearl, Wright deduziu que Ini Miney matara Grey e era na verdade Mimi. Maya, que não tinha se reunido com Mia antes por ser sempre a pessoa a invocá-la, finalmente teve a chance de se encontrar com sua irmã mais velha de novo.

Mais casos Editar

Três meses mais tarde, Wright se envolveu em outro caso, mas o assassino o atacou, fazendo com que ele tivesse amnésia. Maya lhe visitou na corte para ser sua conselheira e se surpreendeu quando Wright não se lembrava dela. Mesmo assim, Wright recuperou a maior parte de sua memória até o veredicto inocente ser dado.

Depois de mais três meses, Maya colocou Wright no meio de um caso sobre o Circo Big Berry, que eles visitaram na noite anterior. O mestre de cerimônias fora assassinado, e o mágico Max Galactica era o suspeito. Durante esse tempo, Maya descobriu que Edgeworth desaparecera durante sua absência, e que era esse o motivo da filha de Mandred von Karma, Franziska von Karma, estar processando contra Wright. Agindo como sua conselheira novamente, Maya sugeriu na corte que a arma do crime estava sendo escondida, e Wright descobriu onde, expondo o verdadeir assassino.

Sequestro Editar

Em março de 2018, Maya esteve na terceira Premiação do Herói dos Heróis anual no Hotel Gatewater com Wright e Pearl. Depois das cerimônias, um camareiro do hotel informou Maya sobre um telefonema para ela e rapidamente a escoltou até o saguão principal. Entretanto, o camareiro era na verdade um assassino, Shelly de Killer, que sequestrou Maya e a manteve em uma adega. Enquanto isso, as notícias de que um dos heróis tinha sido assassinado se espalhou, e Wright recebeu uma ligação de Shelly de Killer, exigindo que ele defendesse o acusado, Matt Engarde, em troca da vida de Maya.

Na adega, Maya escreveu um bilhete para Mia e a invocou, pedindo que ela avisasse a Wright que estava bem, mas com fome. Ela também tentou escapar, sem resultados.

Através de sua investigação, Wright começou a perceber que embora não tivesse cometido o assassinato, Engarde tinha contratado de Killer para fazer o trabalho sujo. Confrontar Engarde levou à confirmação de suas suspeitas, e à revelação do verdadeiro Engarde: um sociopata responsável pela morte da vítima. Wright avisou Edgeworth, o promotor para o caso, sobre tudo que acontecera, inclusive o sequestro. De Killer contatou Wright novamente durante a conversa, mas o miado do gato de Engarde revelou o local em que ele estava: a mansão de Engarde.

Wright e Edgeworth correram para a casa de Engarde, mas de Killer já tinha levado Maya para outro lugar. Entretanto, ela tinha escrito para Wright, lhe dizendo para não se preocupar com ela e dar a Engarde o veredicto que ele merecia.

Na corte, o detetive Dick Gumshoe recebeu a missão de perseguir de Killer e resgatar Maya enquanto Wright e Edgeworth enrolavam o julgamento. No entanto, Wright não conseguia mais enrolar, e um veredicto inocente estava prestes a ser dado. Wright ficou atormentado, mesmo que esse veredicto fosse salvar Maya, uma testemunha inocente seria condenada no lugar de Engarde. Bem a tempo, Franziska von Karma entrou na corte e apresentou novas evidências, inclusive uma fita usada por Engarde para gravar o assassinato.

Bighug

Reunida com Nick e Pearly.

Wright usou isso para convencer de Killer, que estava testemunhando através de um rádio, de que Engarde só estava usando-o e que poderia até chantageá-lo. Enfurecido, de Killer quebrou seu contrato com Engarde e jurou vingança. Aterrorizado, Engarde aceitou um veredicto culpado para escapar da fúria do de Killer.

Maya se reuniu com Wright, Edgeworth e Pearl. Eles saíram para jantar para celebrar. Pearl então reservou um quarto no hotel feito para casais em lua de mel.

Últimos casos com Wright Editar

Maya, Pearl, and Ami

Pearl e Maya com a Urna Sagrada.

Em outubro do mesmo ano, a Urna Sagrada de Kurain, que de acordo com a tradição carregava a alma de Ami Fey, foi estabelecida como parte de uma exposição em Lordly Taylor. Entretanto, a urna foi roubada pelo ladrão Mask☆DeMasque. Gumshoe logo pegou alguém que clamava ser o ladrão, Ron DeLite, e dizia tê-la perdido. Mesmo assim, Wright se ofereceu para defendê-lo na corte, para desânimo de Maya. Ela foi sua assistente no julgamento contra o promotor Godot. Wright conseguiu o veredicto inocente mostrando que o detetive Luke Atmey fora Mask☆DeMasque o tempo inteiro, mas então DeLite foi acusado de assassinato, e Wright novamente o defendeu. Ele determinou que Atmey queria ser condenado pelo roubo, impedindo que fosse acusado do assassinato. Maya invocou Mia, o que tirou a confiança de Godot por motivos desconhecidos na época. Godot concordou com Mia em fazer Atmey depor novamente sobre DeLite, o que expôs uma contradição fatal e provou que ele era o assassino.

Dois meses depois, Wright pegou um caso em que um impostor posara como ele e obtivera um veredicto culpado. Gumshoe exigiu um apelo, e Wright investigou o crime. Ele e Maya visitaram a cena do crime, o restaurante Trés Bien; enquanto tentavam conversar com o proprietário, Jean Armstrong, Armstrong se animou e arrastou Maya até a cozinha para que ela fosse uma garçonete. Quando Wright viu Maya em um vestido de garçonete e ela perguntou como estava, ele sugeriu que ela deixasse de ser uma médium espírita. Mais tarde, ele encontrou uma testemunha cujo único motivo para vir ao restaurante era para olhar as garçonetes. Ele levou Maya para tentar fazê-lo falar, mas ele não estava interessado; no entanto, ele se interessou por Mia ao ser invocada por Maya. Eles eventualmente encontraram o impostor, o agiota Furio Tigre, e com a ajuda de Gumshoe, eles escaparam por pouco de sua fúria. Na corte, Wright mostrou que Tigre era o verdadeiro assassino.

Atentado em sua vida Editar

Antes de sua prisão, Morgan Fey deixara um bilhete para Pearl, lhe dizendo para invocar Dahlia Hawthorne "pelo bem do Clã Fey". Na cadeia, ela encontrou Hawthorne e criou um plano para matar Maya. Por volta do caso de assassinato no restaurante, Hawthorne fora executada por assassinato. Um mês depois, Pearl visitou Morgan, e foi alertada sobre o bilhete deixado para ela e que já era hora de colocar o plano em ação. Godot usou sua posição como promotor para ouvir a conversa e para encontrar Misty Fey para ajudá-lo a anular o plano.

Um mês depois do caso do restaurante, Maya e Pearl descobriram o Templo Hazakura através de uma revista e tentaram convencer Wright a levá-las até lá. A princípio ele não estava interessado, mas ao ver a foto de uma das freiras que se parecia com uma namorada passada sua, Dahlia Hawthorne, ele mudou de ideia. No templo, eles encontraram duas freiras, Bikini e Iris (que Wright achara parecida com sua namorada), e Maya inscreveu-se para o "Curso Especial", um exercício de treinamento rigoroso em que ela devia ser trancada em uma sala fria e sentar-se sobre um bloco de gelo por horas enquanto cantava um encanto trinta mil vezes e água gelada caía sobre ela. Misty também estava lá como sua nova identidade, a autora de livros infantis Elise Deauxnim, com uma bengala-espada. Depois de um jantar, Maya foi ao Templo Interno para começar o Curso Especial.

No meio da noite, o plano para matar Maya começou. Pearl tentou invocar Hawthorne, mas falhou; Misty já tinha a invocado antes do tempo, para impedir que Pearl se envolvesse. Hawthorne aproximou-se de Maya, fingindo ser Iris, e atacou-a no jardim do templo com uma faca. Ouvindo seu pedido de ajuda, Godot pegou a bengala-espada de Misty e vingativamente esfaqueou Hawthorne. Ela o atacou com sua faca, derrubando sua máscara e o cortando perto de seus olhos. Ela então escreveu o nome de Maya em uma lanterna no jardim antes que Misty morresse do ferimento. Em seguida, Maya desmaiou.

Ao acordar, Maya se encontrou no Templo Interno. Temendo por sua vida, ela escreveu à Mia pedindo ajuda e a endorcisou. Mia lhe disse para se trancar na sala de treinamento do Curso Especial e invocar Hawthorne ali para prevenir que outra pessoa a invocasse, garantindo que Wright a salvaria.

Mais tarde, Bikini e Wright descobriram que Deauxnim tinha sido assassinada. Preocupado com Maya, Wright tentou atravessar a ponte que levava ao Templo Interno, mas ela tinha sido atingida por um raio e quebrou sob seus pés; ele caiu no rio e pegou um resfriado sério, mas não sofreu lesões graves. Assim, a passagem para o Templo Interno foi fechada pelo dia.

O caso juntou várias pessoas para trabalhar em salvar Maya e resolver o caso. Edgeworth ouviu sobre o incidente e retornou do exterior para ver como Wright estava (graças a Larry Butz fazer a situação parecer pior do que realmente era), e ele lhe deu seu distintivo de advogado para que Edgeworth pudesse defender Iris na corte até Wright se recuperar. Edgeworth arrumou Franziska von Karma como promotora, e os dois enrolaram o julgamento até que Wright estivesse bem para participar; von Karma mais tarde ajudou na investigação depois que Godot assumiu como promotor. Gumshoe e o departamento de polícia conduziram sua própria investigação também.

GyakutenSaiban3-558

O exorcismo.

Iris foi chamada para desbloquear a sala de treinamento, mas Hawthorne trocou de lugar com ela sob a cobertura de um terremoto. Hawthorne então posou como Iris e tentou implicar Maya como a assassina na corte. Entretanto, Wright expôs as contradições em seu depoimento e desvendou sua verdadeira identidade. Hawthorne estava convencida de que Maya tinha se matado de culpa por assassinar a própria mãe, mas a geografia do lugar mostraram que isso era impossível; Wright concluiu que Maya invocara Hawthorne. Mia a provocou, dizendo que Hawthorne nunca teria sucesso enquanto Maya a chamasse, enquanto Wright citou os vários crimes falhados dela, dizendo que este era só mais um. Angustiada com suas falhas sem fim, Hawthorne deixou o corpo de Maya, que desmaiou.

Após um recesso, Maya se recuperou e foi chamada para depor. No entanto, ela queria proteger a pessoa que salvara sua vida, e mentiu sobre os eventos do assassinato, mas Wright a conhecia suficientemente para perceber suas mentiras, e logo acusou Godot de cometer o crime. Wright tolerou os insultos de Godot, que afirmou que ele nunca seria tão bom advogado quanto Mia fora, e concluiu que Hawthorne o cortara por baixo de sua máscara, o marcando como o assassino.

Derrotado, Godot finalmente admitiu todos os seus motivos; ele tinha sido um advogado de defesa, Diego Armando, trabalhando na mesma firma que Mia, e eles tinham namorado. Ele fora envenenado por Hawthorne pouco depois de um caso no qual ele ajudou Mia, e pelos próximos cinco anos, esteve em coma. Quando ele acordou, Mia já tinha sido assassinada, e ele jurou proteger Maya em seu nome.

Iris foi declarada inocente em seguida. Maya, Wright, Edgeworth e von Karma celebraram a vitória, e Wright se perguntou o por que de Maya estar agindo tão feliz após ser brutalmente atacada e perder sua mãe. Com a ajuda de Edgeworth, ele percebeu que ele estava se mantendo forte por Pearl, que tinha sem querer sido uma grande influência na causa do acidente todo. Pearl, no entanto, se afundou em culpa e fugiu para o Templo Interno; Wright e Maya a seguiram até lá e Maya confortou Pearl, dizendo ser grata por ter tantas pessoas para ajudá-la nos tempos de necessidade e perigo.

Algum tempo depois, Wright, Maya e Pearl devidamente fizeram o Curso Especial juntos. Maya se preparou para aceitar suas responsabilidades como Mestre de Kurain, bem como assistente de Wright. Enquanto isso, Pearl descobriu um Ultra Curso, que ela secretamente reservou para Wright e Maya.

Tempo de pausa Editar

Phoenixcameo

Na Terra Gatewater.

Um mês depois da morte de sua mãe, Maya foi em uma viagem à Terra Gatewater com Wright e Pearl. Durante seu

tempo lá, o trio foi em um passeio de barco juntos, possivelmente para cumprir uma promessa feita anteriormente por Wright. Sem que eles soubessem, Edgeworth também estava no parque de diversões; embora estivesse lá para investigar um sequestro. Aproximadamente um mês mais tarde, Wright e Maya visitaram a Big Tower. Edgeworth estava mais uma vez investigando um assassinato por perto, mas novamente os dois grupos não sabiam da presença um do outro.

Maya então voltou à Aldeia Kurain para mais treinamento, e não estava presente nem foi mencionada durante o julgamento que custou o emprego de Wright, ou nas semanas seguintes. Wright raramente a mencionava, mas revelou que uma "criança" que ele conhece regularmente lhe mandava fitas gravadas das séries Samurai quando ele estava no hospital após um acidente de carro.

Maya viajou para o Reino de Khura'in para completar seu treinamento algum tempo antes do fim da "idade negra da lei". Em dezembro de 2027, ela mandou Pearl para checar Wright. Junto com sua prima, Maya também enviou uma carta (completa por um desenho de Wright) para seu velho amigo, considerando que ela estava em uma parte difícil de seu treinamento e não podia visitá-lo. Entretanto, ela ouviu sobre algumas de suas conquistas recentes, embora alguns detalhes (como o fato de que ele participou de um julgamento em meio a uma corte explodindo) não fossem muito precisos. Wright encontrou Pearl em seu escritório em meio à investigação de um assassinato cuja principal suspeita era Athena Cykes. Wright percebeu que essa era a primeira vez que ele ficava sozinho em seu escritório em muito tempo. No entanto, ao ler a carta de Maya, Wright imediatamente sentiu-se melhor, e com a ajuda de Pearl, ele voltou à sua investigação e eventualmente venceu o caso.

Treinando no Reino de Khura'in Editar

O treinamento de Maya continuou em Khura'in, com Ahlbi Ur'gaid sendo seu guia de turismo. Ela formou uma ligação forte com o menino, com Ur'gaid a considerando como uma irmã mais velha. Após descobrir que o endorcismo era supostamente uma habilidade possuída somente pela família real Khura'inesa, Maya decidiu manter-se em silêncio a respeito de suas próprias habilidades para não ofender os habitantes locais.

Acusada de assassinato duplo Editar

Durante os últimos rituais de seu treinamento, foi dada à Maya a tarefa de participar de uma cerimônia conhecida como o Ritual de Purificação junto ao sacerdote principal Tahrust Inmee, como sua esposa Beh'leeb Inmee estava grávida e portanto não podia cumprir o papel tradicional de Lady Kee'ra. No dia do ritual, Maya conseguiu se encontrar com Wright antes da cerimônia aquela noite. Maya foi em seguida levada ao Santuário Interno acima do Monte Poniponi para iniciar o ritual, mas foi tomada por sono e desmaiou.

Quando Maya acordou, Tahrust tinha sido assassinado e ela se encontrou mais uma vez como suspeita de assassinato. Wright tomou seu caso, no qual Maya foi sua conselheira, mas apesar de seus esforços eles foram incapazes de provar sua inocência e foram ambos condenados à morte sob o Ato de Culpabilidade da Defesa do país, no qual advogados de defesa recebem a mesma punição que seus clientes se eles falharem.

Entretanto, antes que sua sentença pudesse ser dada, a descoberta de outro corpo foi anunciada, o corpo do aprendiz de Tahrust, Puhray Zeh'lot. A sentença de Maya foi posta em espera enquanto a morte de Zeh'lot era investigada. A investigação seguinte de Wright provou que o nome de Zeh'lot era um pseudônimo para "Rheel Neh'mu", um membro da polícia secreta Khurai'nesa, responsável por perseguir, prender e matar membros do grupo rebelde conhecido como "Dragões Desafiadores". Wright suspeitou que Tah'rust fosse o assassino de Neh'mu, considerando que o sacerdote tinha sido identificado como rebelde um dia antes. Para assegurar a depoimento de de Tah'rust, Maya concordou em invocar seu espírito. Wright então desvendou o depoimento de Tah'rust e provou que sua morte fora um suicídio. Beh'leeb admitiu ter acidentalmente matado Neh'mu em um ato de defesa pessoal, inocentando Maya.

Usada para chantagem Editar

Algum tempo depois de seu julgamento, Maya foi sequestrada pelo Ministro da Justiça de Khura'in, Inga Karkhuul Khura'in, com sua segurança sendo usada para forçar Phoenix Wright a ajudar Paul Atishon a obter a relíquia da Mãe Santa conhecida como Orbe da Fundadora. Apesar de Dhurke Sahdmadhi ter tentado salvá-la, ele acabou levando três tiros antes de afastar Inga. Maya, implorando que ele não morresse, recebeu duas tarefas dele: uma era a de endorcisá-lo para que ele pudesse soltá-la, e a segunda era a de viajar para os Estados Unidos e invocá-lo para que ele pudesse rever seu filho adotado, Apollo Justice, uma última vez. Maya também foi alertada para manter a morte de Sahdmadhi um segredo de Justice.

Após os membros da Agência Qualquer Coisa do Wright e Miles Edgeworth viajarem ao Reino de Khura'in, Sahdmadhi, ainda sendo endorcisado por Maya, foi forçado para fora de seu corpo por Amara Sigatar Khura'in, e ela foi levada ao hospital para se recuperar. Ela mais tarde depôs no julgamento do assassinato de Inga Karkhuul Khura'in depois de Justice lhe chamar ao estande, acreditando que ela tivesse invocado seu espírito. Maya discordou de sua suposição, mas foi incapaz de admitir a verdade por conta de sua promessa a Sahdmadhi. Entretanto, Justice eventualmente percebeu que Sahdmadhi estivera morto o tempo todo e entrou em desespero. Maya informou Justice sobre os momentos finais de Sahdmadhi, o encorajando a não desistir. Justice continuou e consegui provar que a Rainha Ga'ran Sigatar Khura'in fora a verdadeira culpada pelo assassinato de Inga, enfim limpando o nome de Dhurke.

Volta aos Estados Unidos Editar

Depois do julgamento do assassinato de Inga Karkhuul Khura'in ser resolvido, Maya retornou à Aldeia Kurain, pronta para assumir as responsabilidades de ser a nova mestre da aldeia. Quatro meses após retornar aos Estados Unidos, Maya novamente auxiliou Wright na investigação de um caso de assassinato, do mesmo modo que fizera anos antes. Wright e Maya eventualmente provaram a inocência da acusada, Ellen Wyatt, e foram convidados para a recepção de seu casamento com Sorin Sprocket. Entretanto, depois de Larry Butz acidentalmente pegar o buquê de Wyatt, Maya ajudou as enfurecidas Athena Cykes e Ema Skye a persegui-lo.

Personalidade Editar

Maya é energética, vívida, animada e extrovertida. Ela exala uma personalidade infantil, sendo tanto impulsivamente curiosa quanto facilmente confundida. Ela sempre age sem pensar, tenta tocar objetos estranhos de forma imprudente, e sempre apresenta linhas de raciocínio que rapidamente deixam de fazer sentido. Esse conjunto de características faz com que Wright constantemente questione seu bom senso. Ela é muito entusiasmada com o trabalho de Wright, tendo escolhido vários de seus clientes, embora ela raramente o consultasse antes.

Maya também possui um apetite voraz. Ela tem um gosto particular por hambúrgueres e macarrão de rámen, e gosta de pimenta nos seus hambúrgueres. Ela e Wright frequentemente visitavam Eldoon's Noodles, o restaurante do pai de Guy Eldoon. Muitas de suas linhas de raciocínio são baseadas em hambúrgueres, e ela já mencionou ter quatro estômagos: um para hambúrgueres, um para carnes, um para doces, e um para outras comidas. Ela também gosta de sanduíches de geleia e amendoins.

Apesar de sua natureza infantil e aparentemente ingênua, Maya demonstrou sabedoria durante muitos julgamentos. Ela é teimosa e persistente, cuidando daqueles com quem se importa e mantendo a esperança em todas as possibilidades. Sua firmeza, otimismo e lealdade a seus amigos foram importantes, e até mesmo críticos, para o sucesso de Wright na corte. Ela constantemente põe outros à sua frente, relembrando Wright de lutar por justiça mesmo quando sua própria vida estava em risco, e se mantendo forte mesmo após testemunhar a morte de sua mãe por Pearl; considerando a culpa sentida por sua prima mais importante que sua própria tristeza.

Maya é uma grande fã da Franquia Samurai, inclusive O Samurai de Aço: Guerreiro de Neo Olde Tóquio, A Princesa Rosa: Guerreira de Little Olde Tóquio, O Samurai de Níquel, e O Samurai Energético: Bugaboo Elétrico.

Nome Editar

  • Seu nome japonês, "Mayoi" (真宵), significa "verdadeira noite". Quando escrito em kana, "mayoi" (迷い) significa "hesitação" ou "dúvida". O nome foi aparentemente escolhido de uma lista de kanji dos quais Shu Takumi gostava.
  • O "sato" em seu sobrenome japonês pode vir da palavra "aldeia" ou "país natal", enquanto o "aya" pode vir de "ayashii", que significa "infeliz".
  • "Maya" foi escolhido por se parecer com seu nome japonês. O nome vem ou do sânscrito para "ilusão", ou, semelhantemente ao nome de sua irmã Mia, é uma forma curta de "Maria".
  • "Fey" vem da palavra "fey" que pode significar "mágico", "como uma fada", "estranho", "extraterrestre" ou "enfeitiçado". Um significado arcaico é "condenado a morte". Também pode vir de Morgan le Fay, a feiticeira da lenda do Rei Arthur.
  • O nome brasileiro não-oficial de Maya é Alice Sato. Na versão brasileira, os nomes da família Fey começam com "A", bem como na versão americana começam com "M". O significado de Alice vem do germânico "Adelheid", uma junção de "adal", que quer dizer "nobre", e "haidu", que significa "qualidade", e que como um todo quer dizer "de qualidade nobre" ou "de linhagem nobre", fazendo referência ao fato de que Maya é a herdeira da família principal de médiuns espíritas, e também à natureza protetora de Maya. É um nome semelhante ao nome brasileiro de Mia, Aline. Sato é uma forma reduzida do original sobrenome japonês, "Ayasato", e significa "vila".

Desenvolvimento Editar

  • Maya foi a primeira personagem jogável além de Wright na série Ace Attorney, por ser controlada brevemente durante Farewell, My Turnabout.
  • As visitas de Maya à barraca de macarrão do Eldoon faz mais sentido na versão japonesa, pois a comida favorita de Maya é macarrão rámen no idioma original dos jogos. A localização americana de Phoenix Wright: Ace Attorney: Spirit of Justice zomba desse fato ao mostrar Maya expressando sua vontade por uma tigela de rámen com um hambúrguer em cima.
  • No adaptação para o cinema, Maya é uma pianista habilidosa, e foi anteriormente retratada tocando o instrumento na arte da capa do álbum Gyakuten Meets Jazz Soul.
  • Maya foi julgada por assassinato mais vezes do que qualquer outro personagem da série até hoje (pelo assassinato de Mia Fey em Turnabout Sisters, Turner Grey em Reunion, and Turnabout, e Tahrust Inmee e Rheel Neh'mu em The Rite of Turnabout). Além disso, em cada um desses casos, a atual Agência Qualquer Coisa do Wright teve um nome diferente (Escritório de Advocacia Fey & Cia em Turnabout Sisters, Escritório de Advocacia Wright & Cia em Reunion, and Turnabout, e Agência Qualquer Coisa do Wright em The Rite of Turnabout.)
  • Excluindo a estréia original de Phoenix Wright: Ace Attorney, Maya nunca foi a assistente em nenhum dos últimos casos da série principal; ela estava treinando em Rise from the Ashes, sequestrada em Farewell, My Turnabout, presa e então uma testemunha em Bridge to the Turnabout, não mencionada em Turnabout Succession, apareceu apenas por uma carta em Turnabout for Tomorrow, e foi sequestrada e depois uma testemunha em Turnabout Revolution. No entanto, ela é a assistente de Wright no caso final de Phoenix Wright: Ace Attorney: Spirit of Justice, disponível para download, Turnabout Time Traveler.

Papel no jogo Editar

Maya originalmente seria uma assistente no escritório de Mia, treinando para se tornar uma advogada. Entretanto, os produtores acharam que Wright teria muitos conselheiros, então os roteiristas tiveram a ideia de usar endorcismo para combinar duas das conselheiras de Wright em uma, introduzindo Maya no segundo caso do jogo como acusada de assassinato. Maya é introduzida de maneira semelhante em Phoenix Wright: Ace Attorney: Justice for All, aparecendo no segundo caso novamente como acusada.

Foram Maya e Wright que começaram a piada recorrente de escada vs. escada de mão, na qual o personagem principal e seu assistente discutem sobre a diferença entre uma escada e uma escada de mão. Um diálogo semelhante ocorre em todos os jogos da série até hoje.

Roupa Editar

A roupa de Maya é parecida com as vestimentas tradicionais usadas por médiuns espíritas japoneses, consistindo de um quimono, chinelos de madeira escuros, e um colar com esferas e um magatama, embora o design do quimono tenha sido modificado, sendo muito mais curto do que os tradicionais. Os chinelos são semelhantes a geta, mas mais arredondados, lhes dando uma aparência parecida com outros tipos de sandálias. O quimono e as alças dos chinelos ambos são roxos, assim como um par de miçangas usadas para prender parte de seu cabelo; essas miçangas foram as únicas coisas da roupa de Maya mantidas em seu uniforme de garçonete do restaurante Trés Bien.

Após o primeiro jogo, essa roupa foi vista em outras acólitas do Clã Fey, principalmente em Pearl. O número de esferas nos colares das membras do Clã Fey representam quão longe elas já estão no treinamento. Na trilogia original de Ace Attorney, Maya usava quatro, assim como Pearl, mas em Phoenix Wright: Ace Attorney: Spirit of Justice, o número aumentou para seis.

Ultimate Marvel vs. Capcom 3 Editar

Maya aparece no jogo de luta Ultimate Marvel vs. Capcom 3 como alguns dos ataques de Phoenix Wright e também como um de seus Hiper Combos do Nível 1, em que ela corre para a frente enquanto acerta o oponente de Wright com socos. Ela também aparece durante a introdução de Wright para lhe dar papéis e reaparece se Wright ganhar para jogar confetes.

Quando o jogador seleciona uma roupa alternativa para Wright, o conjunto de cores de Maya também muda. Como Wright, seus conjuntos de cores são referências a outros personagens, por exemplo Mia Fey, Franziska von Karma, Maggey Byrde (ou a própria Maya no uniforme do Trés Bien), Kay Faraday e Lynne de Ghost Trick: Phantom Detective.

Cada personagem no jogo também ganha uma roupa disponível para download que muda sua aparência mais consideravelmente. Para Wright, seria seu suéter da universidade, enquanto o conjunto de cores de Maya parece ser baseado ou na roupa de Iris, ou na roupa usada por Ema Skye quando ela era adolescente.

Professor Layton vs. Phoenix Wright: Ace Attorney Editar

Quando Wright foi enviado em um intercâmbio à Londres pela Liga Legal de Advogados, Maya o acompanhou. No entanto, após Wright provar, com sucesso, a inocência da misteriosa estudante Espella Cantabella, acusada de agressão, ambos foram transportados à misteriosa cidade de Labyrinthia por um livro deixado para trás pela cliente. Lá, tanto Wright quanto Maya foram hipnotizados para pensar que tinham trabalhado em uma padaria na cidade pelos últimos cinco anos. Foi lá que eles encontraram Cantabella novamente, embora não se lembrassem de seu primeiro encontro.

Foi também na padaria que Maya e Wright encontraram Hershel Layton e Luke Triton, que também tinham sido transportados à Labyrinthia. Maya auxiliou Wright quando Cantabella lhe pediu para defendê-la de suspeitas de assassinato e de bruxaria na corte após ser acusada de queimar dois jovens que tentaram roubá-la. Depois de limpar seu nome, Maya e Wright decidiram se juntar a Layton e Triton para desvendar o mistério por trás de Labyrinthia. Entretanto, não demorou para que a própria Maya se metesse em confusão; enquanto investigava a morte de um alquimista que ocorrera três meses antes, ela se tornou suspeita de transformar Layton em uma estátua de ouro pela Grande Bruxa Bezella. Embora Wright tenha provado a inocência de Maya, Cantabella admitiu ser a Grande Bruxa Bezella em uma tentativa de acabar com as execuções de bruxas; se Bezella morresse, então não teria mais motivo para julgamentos de bruxaria, pois ela era a fonte de todas as bruxas. No entanto, enquanto libertava Cantabella da gaiola que seria jogada no fogo, Maya acabou trocando de lugar com ela e, na confusão, foi derrubada nas chamas e aparentemente morta.

Na verdade, Maya fora derrubada através de um alçapão secreto no fundo do buraco e transportada para uma floresta escura fora de Labyrinthia, habitada por "Sombras", pessoas que que tinham sido anteriormente condenadas por bruxaria e levadas à floresta pelo mesmo alçapão, tendo todo o conhecimento de suas existências anteriores apagado. Maya eventualmente se reuniu com Layton (cuja "morte" também fora um truque elaborado) e descobriu uma série de ruínas anciãs escondidas nos arredores do bosque. Depois de mais tarde se reunir com Wright, Triton e Cantabella, o grupo explorou as ruínas para tentar descobrir os segredos de Labyrinthia.

Quando Cantabella foi acusada de assassinar seu pai, o Storyteller, Maya novamente ajudou Wright no julgamento. Com a assistência adicional de Layton, Triton e o próprio Storyteller, que tinha usado astúcia para escapar da morte, foi finalmente revelado que Labyrinthia era de fato uma cidade artificial criada pelo Storyteller em uma tentativa de garantir à sua filha de que ela não era uma bruxa, pois Espella acreditava ter sido possuída por Bezella depois de causar um desastre conhecido como "O Incêndio Lendário" anos antes, quando era criança. Após revelar o verdadeiro culpado tanto do "assassinato" de Storyteller quanto do Incêndio Lendário, Cantabella foi finalmente inocentada de todas as acusações, e Layton, Triton, Wright e Maya deixaram a cidade para retornar as suas vidas antigas.

Outras mídias Editar

  • Perto do fim do episódio "Remote Island Syndrome Part 2" do anime The Melancholy of Haruhi Suzumiya, os gestos de alguns personagens espelham as animações de alguns dos personagens de Ace Attorney. A cena em questão é a de Haruhi Suzumiya confrontando os outros personagens sobre a verdade de um "assassinato" ocorrido. Mikuru Asahina faz o mesmo aceno de cabeça com as mãos juntas que Maya sempre faz.
  • Maya aparece como personagem Oni em Onimusha Soul, um RPG social de estratégia para navegadores online e celulares desenvolvido pela Capcom e sé lançado no Japão. Franziska von Karma e Kay Faraday também aparecem no jogo.
  • Maya e Wright são unidades solo jogáveis em Project X Zone 2. Como parte do enredo, Morrigan Aensland energiza o magatama de Maya com energia espiritual, permitindo que o par lute de modo igual aos outros personagens do jogo.

AnimaçõesEditar

Animações retiradas do Court Record